Decodificando a narrativa bolsonarista (parte 2)

Toda vez que Bolsonaro abre a boca, pode ter certeza, há uma estratégia por trás (ué, mas ele não é uma anta?). Não se engane com a tosqueira que geralmente envolve as situações, tudo ali é muito bem pensado. Desde o figurino até os sutis gestos.


Batemos muito nessa tecla na parte 1, precisamos passar da caricatura para a caracterização da lógica interna do movimento bolsonarista.


Mas e aí? Por onde começar?


A seguir vamos analisar algumas postagens de acordo com os conceitos (olhares textuais) construídos pelo professor João Cezar de Castro no livro “Guerra Cultural e Retórica do Ódio”. Afinal, quais são as características que unem essa corrente?